Quinta-feira, 22 de Agosto de 2013

Istambul - Üsküdar

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt


Viajar em Istambul pelo lado daAnatólia é descobrir uma outra cidade, mais genuína, e longe do turismoquotidiano que se passeia por aquele pequeno monte do Palácio dos Sultões dolado europeu desta maravilhosa cidade.

Descobrir-lhe os cantos e os segredosmesmo, só é possível com os istambulenses que vivem quotidianamente nestacidade que foi a capital de impérios.

Esta metrópole de 14 milhões dehabitantes, número oficial, estende-se a perder de vista, e o trânsito é umpesadelo de todos os dias.

Ao longo dos séculos viveram aquipacificamente, lado a lado, as três religiões do Livro, com alguns desencontrosmenos felizes. Mas, em geral, e se compararmos com a intolerante Europa da IdadeMédia e, mais tarde, da Inquisição, e já no séc. 19, a dos progroms eslavos, e por fim, a do Holocausto, estacidade, que foi Bizâncio, e depois Constantinopla, e que é Istambul desde a conquista otomana em 1453, foi, e é, um exemplo de convivência e tolerância entre as nações e asreligiões.

A sua arquitectura, música e culináriareflectem isso mesmo, o cruzamento e a passagem das diversas culturas comsimbioses bem-sucedidas. O filme "Crossing the Bridge - the music of Istanbul" do realizador germano-turco, Fatih Akin, compartilha com o seu público esta riqueza cultural. 

Istambul situada a cavalo entre a Europa e a Ásia, ou a caminho daEuropa ou do Médio Oriente, no Ocidente para uns e no Oriente para outros, esta cidade que vive em espargata cultural, é uma diva temperamental que nos planta a tentação de lhe descobrir todos ossegredos. E assim nos enfeitiça como uma odalisca com os seus muitos movimentos ondulantes para lhe dedicarmos uma vida inteira, que sabemos nunca chegará para a desvendar totalmente! Istambul que tal como Lisboa se espalha por sete colinas frente a encontros de águas marítimas (e doces no nosso caso).

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

Atravessamos do lado europeu para oasiático de vapur e atracamos no iskele de Üsküdar. O nossoobjectivo é fazer turismo naquele bairro e, por fim, seguir a sinuosa margem nosentido do Mar Morto até Beykoz (isto ficará para outro "post").


A pé por Üsküdar


© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

Üsküdar é descrito por alguns como um município da grande Istambul algo conservador (o AKP foi o partido mais votado nas últimas eleições locais). Mas a política não é reconhecível numa primeiravisita, ou talvez sim, no investimento que se tem feito na reabilitação do seu passado otomano. Üsküdar é o ponto de encontro de cacilheiros, dolmuş, autocarros de e para todos os pontos da cidade. O enorme estaleiro de obras da linha de metro com destino a Kartal desfeia o passeio marítimo temporariamente. Osistambulenses deslocam-se seguros e pacientes entre os vários meios detransporte acessíveis nesta sua vida de grande metrópole.
© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

O palácio de Mihrimah filha do sultão Suleimãoe da sultana Hürrem, as fontes, as mesquitas, as livraria e os cemitérios otomanos dobairro surpreendem e deslumbram os visitantes. A maestria e a originalidade doarquitecto Sinan são imediatamente reconhecíveis neste conjunto arquitectónicode grande beleza e concentrado num espaço relativamente pequeno (embora a sua população atinja os 535 mil habitantes segundo dados de 2012). 


© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt


As esplanadas junto ao mar convidampara se tomar um çay ou um türk kafesi seguido de um eventual fal okumak, que nos falará do futuro lido numas borras de café deixadas no fundo da chávena,enquanto se observa os muitos pescadores de braços prolongados por canas depesca e que, pacientemente, povoam o passeio marítimo que se estende por váriosquilómetros. Os istavrit, ismarit, sardalya dão os últimos suspiros nos baldesdos balıkcılar bem sucedidos. Em pano de fundo, sucedem-se por via marítima, oscacilheiros, os vapur e os deniz otubusleri, os cruzeiros, os barcosde recreio, e os navios de carga e os petroleiros que quando de casco vazio passamgigantescos, quais monstros marinhos, e que parecem saudar a kiz kulesi, ummarco das águas de Istambul, no que parece uma auto-estrada fluvial sempre àhora de ponta e um caos muito bem organizado!

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-
vogt




Dondurma taze taze - apregoa o vendedor, mesmo ali ao lado, do que parece ser gelado Maraş, um gelado mais sólido do que o habitual, tipicamente turco, e que ao som dos pregões é partido com pancadas fortes – uhmmm...delicioso.


© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

De repente toda aquela azáfama elinguagens ensurdecem e os olhares concentram-se num ponto do mar. Alguémdiz maravilhado - Yunuş bak, orada! Seguimos-lhe o interesse no olhar para ver ao longe uma família degolfinhos que se desloca na direcção dos Dardanelos para o Ege Denizi.

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

Um último tilintar da colher no copo em forma de túlipa do derradeiro chá açucarado da dezena que já consumimos e partimos pelo passeiomarítimo em direcção ao sol poente. 

Quiosques de snacks e bebidas nãoalcoólicas pontuam este passeio. Espalhadas pelos degraus largos que descem até ao mar, as almofadas otomanas servem de palco e repouso para os flaneurs que deambulam paralelamente ao mar. 

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt


Passam véus e cabelos soprados pela brisa marítima de gentes de todas as idades, animadas oucontemplativas, tagarelando ou reflectindo, sentadas face àquela paisagemmítica. Em pano de fundo o som dos barcos cortando a água, o eco roncado dosnavios de grande porte, os barcos de patrulha, os petroleiros que parecem pormomentos engolir a Kiz Kulesi, numa azáfama incansável de ponto de encontro, cruzamento e partida de mundos diferentes. No meio do trânsito intenso e lento de "mirones", um grupo de homens dança halay ,acenando um lenço branco, ao som da música do Mar Morto que entoam sorridentes.

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

Do lado esquerdo, na colina, as yalılar, algumas já restauradas, embora os seus madeiramentos continuem a transpirar uzun, reflectindo por laivos o esplendor dos tempos passados e impondo-nos as suas lembranças devidas anteriores. Passear por Istambul é um constante deambular pelo presente sempre surpreendido pelo seu passado.

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

O horizonte tinge-se de vermelho, osol despede-se num até amanhã que queremos repetido, inşallah. As luzes iluminam a cidade com outro colorido e desvendam outras vidas urbanas. Os barcos iluminam-se. A lua e o seu yakamozsaúdam a longa e animada noite istambulense.

© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt

Um çingene aborda os passeantes. Um coelho e uma caixa de madeira com papelinhos coloridos vão-nos dizer da nossa sorte, por apenas uma lira turca. Um outro cigano aponta para balões coloridospousados nas águas escuras do mar e põe-me uma pistola na mão para lhes fazerpontaria. Sentado num banco corrido, um jovem dedilha música fasil num pequeno violino, mais à frente um vendedor apregoa  kumpir - e pelo ar espalha-se o perfume de batata cozida no forno, recheada com milho e ervilhas.


© Üsküdar  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt










A voz do muezzin ecoa lembrando o 5º vakit, a última oração do dia!

Iyi geceler! 

Canção de Üsküdar

http://www.youtube.com/watch?v=SymcEAeYGOw


Türkünün Sözleri

Üsküdar’a gider iken aldı da bir yağmur
Katibimin setresi uzun eteği çamur
Katip uykudann uyanmış gözleri mahmur
Katip benim ben katibin el ne karışır
Katibime kolalı da gömlek ne güzel yaraşır
Üsküdar’a gider iken bir mendil buldum
Mendilimin içine de lokum doldurdum
Katibimi arar iken yanımda buldum
Katip benim ben katibin el ne karışır
Katibime kolalı da gömlek ne güzel yar


GLOSSÁRIO

vapur - cacilheiro

iskele - cais

dolmuş - hopper

çay - chá

türk kahvesi - café turco

fal okumak - ler a sorte nas borras do café

balıkcılar - pescadores

deniz otobusleri -  barcos de transporte de passageiros

dondurma taze taze! - gelado fresquinho!

Maraş dondurması - gelado originariamente da região de Kahramanmaraş

halay - dança da região do Mar Morto

yalılar - casas de madeira

uzun - melancolia (bem descrita no romances de Orhan Pamuk)

inşallah - oxalá

yakamoz - luar reflectido no mar

çingene - cigano

kumpir - batata assada no forno recheada com milho cozido, cenouras e ervilhas refogadas e azeitonas

vakit - tempo (há cinco oraçãoes por dia que são designadas por vakit)

iyi geceler - boa noite


TODO O CONTEÚDO DESTE BLOGO ESTÁ PROTEGIDO POR DIREITOS DE AUTOR  nacionais e internacionais © copyright DE CRISTINA DANGERFIELD-VOGT (desde a data de início do blog)


todos os TEXTO E FOTOS neste post com ©  copyright de Junho de 2012 de cristina dangerfield-vogt

all photos and text in this post are protected by  ©  copyright June 2012 cristina dangerfield-vogt






publicado por Cristina Dangerfield - Jornalista às 11:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

 

.Fevereiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A VIDA NUMA MALA - Cristi...

. O Jardim dos Justos - Lem...

. Êxodo dos Sefarditas de E...

. Sefarditas Salvos pelos S...

. A propósito do Dia Intern...

. Istambul - Üsküdar

. ...

. Turquia: Ramadão 2011 e 2...

. Turquia: em Lisboa

. Turquia: Büyük Husun, uma...

.arquivos

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2015

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Agosto 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Setembro 2009

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds